Responsive Ad Slot

Últimas

Últimas

Comissão de Educação tem pressa em ouvir novo ministro da pasta, Abraham Weintraub

terça-feira, 9 de abril de 2019

/ por News Paraíba

Horas após a indicação de Abraham Weintraub como novo titular do Ministério da Educação, a deputada Alice Portugal, vice-presidente da Comissão de Educação da Câmara, já rascunhou um requerimento para convidá-lo a falar no colegiado. “Vou protocolar amanhã [terça, dia 9 de abril] bem cedo. Se ele puder vir já na quarta, ótimo.”, afirmou a parlamentar.

Para Alice, é necessário que Abraham deixe clara suas intenções frente à pasta, posição compartilhada com o presidente da comissão, deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB). “Temos que ouvi-lo sobretudo sobre a preocupação com a visão de mundo de tudo que vai ser apresentado pelo MEC”.

Abraham assume a Educação após quatro meses conturbados na pasta, até então comandada por Ricardo Vélez Rodríguez, que se notabilizou por comentários polêmicos e por sua proximidade com o escritor Olavo de Carvalho, que o tutelou ao cargo.

Segundo o Congresso em Foco, o novo ministro também é fã de Olavo e já deu demonstrações públicas disso. “Quando ele (um comunista) chegar para você com o papo 'nhoim nhoim', xinga. Faz como o Olavo de Carvalho diz para fazer. E quando você for dialogar, não pode ter premissas racionais”, disse em um evento no fim do ano passado, conforme relato feito à época pelo jornal O Estado de S.Paulo.

“Esse ministro sai da manga da camisa do presidente, do núcleo duro do governo, com posições de extrema direita. Sofre de intolerância política, o que para a convivência educacional é péssimo. Nada mais plural que a ambiência educacional em todos os níveis”, avaliou Alice.

“Vivemos em uma democracia. Agora ele passa a ocupar uma função que exige responsabilidade e precisa mostrar tolerância e respeito”, complementou Cunha Lima sobre os comentários do novo ministro.

O presidente da Comissão de Educação da Câmara, porém, não critica a influência olavista do novo ministro. “O problema da educação não passa por Olavo de Carvalho. Se ele gosta de Olavo de Cavalho ou não, não me interessa. O que preocupa é ter um plano implementado, como vai ser a nova gestão”, afirmou e completou: “É preciso ter uma compreensão de que a baixíssima atratividade do salário dos professores, a falta de vagas em creches, a desvalorização dos profissionais, nada disso são questões ideológicas”.

Novos rumos

Abraham Weintraub se formou em ciências econômicas pela Universidade de São Paulo (USP) em 1994. É mestre em administração na área de finanças pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e professor de Ciências Contábeis na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Fez carreira no Banco Votorantim, onde atuou por 18 anos. Passou pela Quest Corretora, foi professor da Unifesp, e fundou o Centro de Estudos em Seguridade, que presta consultoria a empresas e publica uma revista sobre Previdência.

O caminho dele, todo alinhado ao mercado, também preocupa a vice-presidente a Comissão de Educação da Câmara. “Não sei exatamente a utilidade de um quadro do mercado na educação. Espero que o ministro saiba lidar com a conceituação de que a educação brasileira é laica e gratuita e não queira privatizar e quebrar esse condão da universalização”, disse a deputada Alice Portugal.

Cunha Lima, contudo, prefere esperar para avaliar. "Prefiro aguardar o início da gestão. Me preocupo mais com o resultado".

Abraham deixa a vaga de número dois da Casa Civil, onde era secretário-executivo, e tinha como principal atribuição negociações em torno da reforma da Previdência, assunto que, aliás, já acompanhava desde a pré-campanha eleitoral ao lado do irmão, Arthur Weintraub, assessor especial da Presidência da República.
Não deixe de ler
© Todos os direitos reservados.