Responsive Ad Slot

Últimas

Últimas

Julian Lemos diz que “quem for tirano” não vai liderar o PSL

terça-feira, 22 de outubro de 2019

/ por News Paraíba

O deputado federal paraibano Julian Lemos (PSL) não anda nada contente com o filho do presidente Jair Bolsonaro, o também deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O motivo: a atropelada briga do zero três pela liderança do partido na Câmara dos Deputados. O parlamentar paraibano integra o grupo ligado ao presidente do partido, Luciano Bivar (PSL-PE). Apesar disso, jura fidelidade ao presidente da República. Já com Eduardo, o buraco é mais embaixo. A relação dele com os outros filhos do presidente, vale ressaltar, não é um mar de rosas.

“Só irá liderar o PSL quem for líder. Quem for tirano, não ficará”, disse o parlamentar paraibano, ao ser questionado pelo blog sobre a relação com o novo líder do partido na Câmara. Eduardo Bolsonaro passou a rasteira no colega Delegado Waldir (GO) para assumir o cargo. Enquanto o grupo bivarista foi induzido a acreditar que haveria um armistício, com uma costura de uma terceira via, o filho do presidente protocolou uma nova lista reivindicando a liderança na Casa. Em duas tentativas anteriores, ele foi derrotado pelo grupo de Bivar.

Segundo a Secretaria-Geral da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, a ala bolsonarista do PSL conseguiu coletar 32 assinaturas em apoio de Eduardo. Desse total, 3 eram repetidas e uma não conferiu, o que significa que 28 assinaturas foram consideradas válidas —eram necessárias pelo menos 27. O que parecia ser uma trégua em meio ao racha na legenda, porém, durou pouco. O grupo do Delegado Waldir passou a se mobilizar para tomar a liderança de volta. Em meio a tudo isso, Eduardo afastou todos os vice-líderes do partido, incluindo Lemos.

Segundo o Jornal da Paraíba, a ala ligada a Bivar (PE) disse ter feito um acordo com o Palácio do Planalto, mas se disse traída posteriormente e retomou a disputa pela liderança do partido na Casa. Julian Lemos, por exemplo, tem feito duras críticas a Eduardo Bolsonaro. Críticas, aliás, reverberadas por outras alas do partido, a exemplo da deputada Joice Hasselmann, que foi punida com a perda da liderança do governo. O entendimento entre as partes está longe de acontecer.
Não deixe de ler
© Todos os direitos reservados.